terça-feira, 21 de abril de 2009

Cuidados e manutenção da Flauta Transversal


Ter uma flauta é um processo divisível em três partes:
  1. Compra do instrumento
  2. Manutenção e cuidados quotidianos
  3. Manutenção e reparação

Tendo por base a minha experiência, uma das piores coisas é vermos o nosso instrumento musical a perder o revestimento após uma visita a um atelier de reparação. Certo que há vários factores implicados:
  • a acidez do suor de cada um;
  • os metais usados na liga de revestimento;
  • o tempo e o clima;
  • a limpeza diária da superfície
  • e a qualidade do técnico de reparação.
(Fig. 1) - flauta pousada na posição correcta
Acidez do suor:
Vigie a sua saúde (a acidez do suor), tenha consciência dos seus hábitos. Prazeres excessivos transformam-se em sofrimento, um dia dará conta disso. Deixo duas ligações úteis:
Estas informações nem sempre chegam para resolver o problema, pelo que busque ajuda especializada junto da medicina convencional ou na medicina tradicional.


Os metais usados na liga de revestimento:
Ligas de metais nobres são mais resistentes à corrosão e oxidação, têm uma relação directa com o preço da flauta. O ouro resiste mais do que a prata, e a platina, ainda mais do que o ouro. Outras soluções vão aparecendo como a fibra de carbono e o PVC (plástico duro) esta última, uma solução mais acessível e sonoramente boa nas flautas mais graves ...

Actualmente, as ligas mais comuns melhoraram bastante, abandonou-se quase totalmente o cromado e o niquelado, em prol da prata (por razões alergénicas). É essa a razão de falarmos de flautas em prata maciça ou em liga. Sendo assim, o revestimento e a sua durabilidade avalia-se também quanto à sua densidade e espessura. Como professor de flauta tenho reparado que a espessura provavelmente tem diminuído entre algumas marcas e modelos. Algo típico numa Economia do obsoleto. Pelo que, se aparecerem no revestimento pequenos picos escuros, ao fim de 1,5-2 anos, é porque a espessura da liga era insuficiente.


O tempo e o clima:
A humidade, o frio são os maiores inimigos da sua flauta transversal, devido à condensação de água nas sapatilhas e põe à prova a sua qualidade. Esta humidade também ajuda na corrosão e oxidação, especialmente associada ao "ar salino" marítimo.

O calor também pode ser devastador, nunca deixe o seu instrumento ao sol mesmo que:
  • dentro do estojo e/ou forro;
  • dentro de uma viatura ao sol;
Corre o risco sério de empenar a estrutura e os eixos (de mecânica complexa), e desnivelar as chaves e alavancas (devido a excessiva dilatação dos metais) e ainda, deteriorar as colas dos feltros, cortiças e sapatilhas. O suor é mais abundante sob um tempo quente o que exige mais cuidados com a limpeza exterior, especialmente se tiver um suor ácido; cuidado com as areias que podem riscar o revestimento, no acto de limpeza.


A limpeza diária da superfície:
  • A humidade do suor é mais abundante sob um tempo quente, é o que chamo "água no exterior" da flauta. O maior desgaste do revestimento costuma ser nas chaves de maior atrito digital, os pontos de apoio devem resistir intactos por mais tempo, apesar de estarem em contacto permanente.
  • A humidade e o frio condensam mais água dentro do tubo e chaminés (buracos das chaves) "água no interior" da flauta. Limpar essa água torna-se premente sob temperaturas inferiores a 18ºC, mas até aos 25ºC de temperatura nunca se deve esquecer esta limpeza. Quando pousamos a flauta, atente na sua posição, de modo a que a água escorra longe dos buracos no interior do tubo (fig. 1). O uso de tripés (fig. 2 e 3), onde a flauta encaixa ao alto, é outra opção, mas cuidado, uma queda inadvertida pode danificar bastante o instrumento.
  • ou
  • (Figuras 2 e 3 - tripés)

  • Pano do exterior - um pano de flanela ou outro tecido macio que não lixe o revestimento da flauta, evitar tecidos muito felpudos que fiquem presos nas chaves e cabeças dos parafusos. Nas lojas da especialidade há igualmente panos para o efeito, muitas vezes já vêm com a compra da flauta, costumam estar impregnados de um produto limpador de revestimentos, pelo que não se aconselha o seu contacto com a boca. Evite a aplicação de limpa-pratas ou produtos afins, os cuidados normais devem ser suficientes.
  • Pano do interior - podemos usar gaze dobrada e cozida nas extremidades para não desfiar logo (seca depressa e é barata). Outra solução é comprar algo semelhante numa loja da especialidade, há "tecidos especiais" absorventes e laváveis próprios para o efeito, a abundância de opções existe, é só escolher. Evitar fazer um chumaço grande (gaze em redor da vara) que possa ficar preso num buraco no interior da flauta.
  • As sapatilhas são um dos componentes de alta precisão, recomendo que optem pela maior qualidade disponível, a estabilidade de um bom nivelamento depende bastante disso (para além da qualidade da flauta). O pó e areias finas tendem a acumular-se na depressão da sapatilha (na chaminé) e nos relevos das chaves, juntamente com resíduos da pele e suor. Uma boa sapatilha está intacta, se o revestimento plástico evitar que o feltro interno contacte com a humidade, de outro modo, as fugas aparecem e o som enfraquece rapidamente. Não é bom sinal, a sapatilha ter um círculo de pressão desigual. Está na hora de uma reparação.
(Fig. 4) - Limpador de sapatilhas
  • Na limpeza das sapatilhas pode usar mortalhas de papel ou então, como na figura 4, um limpador próprio, à venda nas lojas da especialidade, é uma superfície secadora e lavável. Usando mortalhas de papel (que serve para enrolar tabaco), atente ao facto de um dos lados ter cola. Dobre a mortalha de modo a colocar a cola no interior da mortalha. Como vêm há muitos acessórios, alguns que provavelmente desconheço, nunca fui muito adepto, há uns 15-20 anos atrás não havia tanta variedade de artigos. Acho que quase todos os acessórios podem ter um fim pedagógico. Se compensa ou não é uma questão do leitor!!! O meu conselho é - use acessórios, de modo a depender ao mínimo deles.
  • Atenção: Nunca puxar a superfície de limpeza com a chave pressionada, isso lixa a sapatilha ....
  • Evite o uso de ceras ou gorduras para besuntar as junção das partes da flauta. O seu uso é indicado em alguns flautins/piccolos, sempre em junções com ajuste de cortiça. Se o ajuste entre as partes da sua flauta estão justos ou lassos em excesso, vá ao seu técnico de reparação. Evite forçar a entrada das partes, pode empenar facilmente (um risco frequente nos alunos de 1º grau); se estiver lasso, perderá som, uma fuga de pressão acústica.
  • Nunca mexa na válvula (êmbolo) no topo da cabeça da flauta, busque o conselho de quem saiba. Se algum dia, esta válvula (de afinação da fundamental) estiver lassa, vá ao seu técnico de reparação, não é nada grave... mas não tente afinar com alguém nessa situação !!!
  • Registe o nº de série e todas as particularidades do seu instrumento, pode ser útil em caso de furto ou roubo. Os instrumentos de música continuam a ser artigos de luxo (taxa máxima de IVA).
  • Por vezes, os parafusos no topo dos eixos vão desaparafusando, reveja este detalhe e corrija-o. Lembre-se, fale ao seu técnico destas e de outras ocorrências menores quando levar a flauta para reparação.


A qualidade do técnico de reparação:
Como em tudo, as teorias nada são, até resultarem na prática. Inteligência e mãos sábias resultam numa mistura de engenhosidade, capaz de poupar algumas centenas de euros no bolso do cliente. É uma questão de ética pessoal e profissional, nem tudo pode ser negócio, neste mundo consumista. Por isso, aconselho-vos cuidado com a escolha do "médico" para a vossa flauta. As más experiências obrigam-me a não recomendar técnicos de reparação cujas práticas eu desconheça. Refiro mais ao alto, na coluna lateral direita, o Atelier dos Sopros Dourados em Lisboa, porque é a quem confio a minha flauta em reparação, como cliente encontro lá a confiança e o esclarecimento de eu que preciso. Este deve ser o critério da vossa escolha.

A minha flauta há muito que perdeu o brilho de outrora, o brilho embaciou numa visita a um técnico de reparação sem escrúpulos, é o que acontece quando se tenta limpar o que está limpo, o revestimento foi gasto em demasia... e não há outro remédio depois... eu notei logo alterações no polimento à vista desarmada... mas pronto, já foi tarde demais!!! Não havia necessidade... sim, fiquei mesmo bastante aborrecido. E sim, a oxidação da prata aumentou muito nesses pontos, exactamente.

Nem sempre o local de venda do instrumento é o local de reparação, bem pelo contrário. Seja observador e não se prenda à incompetência, pode sair-lhe caro. Mais do que currículos e molduras, são as escolhas que definem a qualidade do técnico. Por exemplo, a questão da qualidade das sapatilhas, bem como noutros critérios e opções que definem a relação custo-qualidade do trabalho final.

Esclareça as dúvidas e as questões com o seu técnico de confiança, recorde-se que lhe passam largas centenas de instrumentos pelas mãos e esse conhecimento é precioso, quer falemos de identificar as modas, as alterações que as flautas sofrem, as diferenças e fiabilidade de construção e operação de vários modelos e marcas, por aí a fora...

9 comentários:

  1. Olá eu toco flauta transversal e gostaria de fazer uma pergunta : Como sei se minha flauta é em sol, dó ou mi ?

    ResponderEliminar
  2. Se usar um afinador ou um afinador online (usando microfone) poderá verificar se a nota dedilhada corresponde à frequência detectada pelo afinador. Como às vezes os afinadores trazem um código inglês das notas musicias verifique que a Correspondência entre Letras e nome das notas é a seguinte:

    Dó = C; Ré = D; Mi = E; Fá = F; Sol= G; Lá = A; Sib = B; Si (bequadro) = H

    Aqui tem a tabela de posições na flauta transversal:
    http://cantinhodaflauta.blogspot.pt/2009/04/tabela-de-posicoes.html

    Se a nota detectada é diferente isso quer dizerque está a tocar um instrumento transpositor, ou seja, cuja fundamental não é dó. A questão da transposição é mais complicada pois pede conhecimentos de acústica que não dá para explicar aqui. Talvez dê assunto para um artigo. Espero que tenha respondido à sua questão.

    ResponderEliminar
  3. olá minha flauta é a eagle e ela esta com um dos cavalete bambo, e uma chave bamba tambem. E isso a deixou completamente fora de si ou seja desafinada :-(
    o que faço? melhor levar ao tecnico ne?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, faça isso, não tente mexer porque vai ficar pior.

      Eliminar
  4. Olá! Em primeiro lugar, parabéns pelo blog, cujo conteúdo é interessantíssimo e muito bem escrito, além de muito útil!
    Gostaria de fazer uma pergunta. Tenho em mãos uma flauta antiga e totalmente condenada, bastante oxidada, repleta de vazamentos, sapatilhas já desfiando... pretendo me aventurar a repará-la. Gostaria de saber que tipo de produto seria o adequado para remover a oxidação.

    Muito obrigado!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É difícil responder à sua questão sem ver o estado da flauta - Será que vale a pena limpar? Há muitos produtos, basta procurar um comum limpa-pratas (se for o caso) ou um limpa-metais genérico. Se a oxidação tiver num grau muito avançado nenhum dos produtos vai satisfazer e o metal estrutural da flauta irá continuar a degradar. Mandar pratear ou revestir novamente com um banho de qualidade irá custar mais do que comprar uma flauta nova.

      Eliminar
  5. Ola, meu pano ficou preso dentro da flauta e nao sai por nada, oque eu faço?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá!Já conseguiu resolver?Quando isso acontece alguma linha do pano enganchou no mecanismo do corpo da Flauta. Puxar pode trazer um dano pior, então é melhor levar a flauta ao luthier, ele deve ter alguma ferramenta específica para retirar o tecido, sem riscos maiores ao instrumento.
      Espero ter ajudado! =)

      Eliminar
  6. Olá! Parabéns pelo artigo, muito útil e informativo! Gostaria de uma informação específica sobre flautas transversais niqueladas.Tenho uma há três anos e meio e ela já está bem oxidada.Porém,no porta lábio, à direita do orifício do bocal, surgiram feias manchas pretas,acho q descuidei da limpeza ali.Há um produto indicado q possa remover estas manchas, devolvendo a cor prateada normal do porta lábio, sem danificar o metal e a qualidade do som?
    Aguardo sua resposta o mais breve possível! Obrigada!

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.